Saiba tudo sobre retinol, o ativo supremo do skincare

*Texto por Carla Cristina (@notrabalho), engenheira especialista em cosméticos e maquiadora em formação.

Qualquer pessoa que já pisou em um dermatologista, ou que é ligada em produtos de skincare, provavelmente ouviu falar em retinol. Ele é a grande estrela do skincare, e não à toa: é o ativo que possui maior comprovação científica quando o assunto é eficácia no cuidado dos sinais de envelhecimento.

O x da questão aqui é a renovação celular, e o retinol é quase como uma máquina do tempo. Enquanto a maioria dos produtos age na prevenção, seja combatendo os radicais livres (caso dos antioxidantes, como a vitamina C), ou hidratando para proporcionar um efeito visual de pele mais preenchida e com viço (como o ácido hialurônico), o retinol é um dos poucos que ameniza sinais já existentes, como linhas e rugas, manchas e flacidez.

Para começar a entender seu funcionamento, precisamos dar um passo para trás e entender o grupo dos retinóides como um todo. O retinol é um precursor do ácido retinóico, esse sim é quem age na pele — o ácido retinóico também é chamado de vitamina A ou tretinoína, e se você já usou Roacutan, deve ter reconhecido o nome: é o mesmo ativo. O ácido retinóico é o padrão-ouro do combate ao envelhecimento da pele porque age a nível celular, normalizando o comportamento das células cutâneas, resultando em uma pele mais lisa, firme e com menos rugas e manchas, e é por isso também que é tão poderoso no tratamento da acne. Por ter capacidade de penetrar na pele, os retinóides não são recomendados (em nenhuma forma) para uso em grávidas e lactantes.

Uma curiosidade sobre a nossa pele é que ela se renova, em média, a cada 28 dias. A magia dos retinóides é acelerar esse ciclo de renovação, o que por sua vez estimula a formação de colágeno — o colágeno é o grande responsável por manter nossa pele firme e com menos rugas, e a partir dos 25 anos sua produção começa a diminuir. O ácido retinóico age não só estimulando a produção de colágeno novo, mas também ajuda a manter o que já está na pele. Além disso, o ativo regula o processo de queratinização, ou seja, impede que as células mortas entupam os nossos poros, resultando em uma pele mais macia e pronta para absorver melhor outros produtos de skincare. E o último (mas não menos importante) benefício: o ácido retinóico é um poderoso aliado na luta contra manchas, suavizando sua aparência e deixando a pele mais uniforme.

Porém, nem tudo são flores. Um ativo tão potente como esse apresenta muitos efeitos colaterais, como ressecamento excessivo da pele, sensibilização, irritação e descamação. Por isso, o ácido retinóico é vendido somente sob prescrição médica e, no lugar dele, as marcas de cosméticos usam seu precursor, o retinol. Quando é aplicado na pele, o retinol passa por uma reação e se transforma em ácido retinóico, que por sua vez atuará da maneira explicada acima — mas como menos de 20% do retinol é convertido, sua ação será muito menos agressiva, ainda que também eficiente.

Como mesmo as versões mais suaves de produtos com retinol são poderosas, quem tem pele sensível ou está começando a se aventurar no skincare precisa começar aos poucos — é muito comum os dermatologistas prescreverem produtos com porcentagem menor, e ir aumentando a medida em que a pele vai se acostumando com o ativo. Estudos comprovam que o retinol não precisa ser aplicado diariamente para fazer efeito, e outra recomendação é usar em dias alternados (ou até pulando dois dias) para ver como a pele reage. Assim, você aumenta a frequência aos poucos sem provocar irritação. Passar uma camada fina de hidratante antes do retinol também é uma boa ideia, ajuda a acalmar a pele e prepará-la para receber o produto. Por fim, como é um ativo fotossensibilizante (apesar de menos que o ácido retinóico puro), o ideal é usar o retinol à noite, e sempre aplicar protetor solar durante o dia enquanto estiver fazendo o tratamento.

Lembre-se que é importante conversar com um dermatologista para ter o diagnóstico correto e a prescrição do melhor produto pra você. Abaixo, algumas sugestões disponíveis no mercado:

. Retinol B3 — La-Roche Posay (aqui)
A Vitamina B3 age como anti-inflamatório, sendo ótima para peles sensíveis. Já fiz resenha dele no meu Instagram (aqui)

. Sérum Uniformizador — Sallve (aqui)
A forma de retinol apresentada é biomimética, minimizando potenciais riscos de irritação.

. Sérum Antirrugas Renew Restaurador — Avon (aqui)
Recém-lançado, promete resultados em duas semanas, combinando o retinol com um agente hidratante que também auxilia na minimização de irritações.

. Granactive Reinóide — Principia Skincare (aqui)
Este ativo promete a performance do retinol, porém com menor irritabilidade, o que é excelente para peles sensíveis.

. Redermic Retinol — La Roche-Posay (aqui)
Além do retinol, esse produto combina Vitamina C, ácido hialurônico, manose e água termal, um ótimo mix para quem não curte uma rotina com muitos passos.

Ivy C Sérum — Mantecorp (aqui)
Outra opção de tudo em um, esse sérum contém ácido hialurônico, vitamina C e retinol, além de oferecer FPS 30. Não é recomendável dispensar o protetor solar completamente, mas ele já oferece um certo nível de proteção.

{Fotos: Jill Burrow e Pavel Danilyuk / Pexels}